PREFEITO PARTICIPA DE AUDIÊNCIA CONTRA PRIVATIZAÇÃO DE FURNAS

 

Sempre lutando pelo melhor para Piumhi e região, o prefeito Adeberto José de Melo (Deco), participa nesta tarde de uma audiência pública, em Belo Horizonte, para debater acerca da privatização da Usina Hidrelétrica de Furnas.

Autoridades de várias esferas se uniram para lutar contra a privatização, tendo em vista que,
se concretizar o projeto, o estado terá muitas perdas econômicas.

Furnas está presente em quinze estados brasileiros e no Distrito Federal. Ao todo integram seu parque gerador 18 usinas hidrelétricas, duas termoelétricas e três parques eólicos, gerando aproximadamente 10% da energia elétrica consumida no País.

Por sua infraestrutura, com 66 subestações e mais de 23 mil quilômetros de linhas de transmissão, passa 40% da energia nacional. Um exemplo disso é o Linhão Madeira, com 2.375 quilômetros entre o Norte e Sudeste, a maior linha de transmissão de corrente contínua do mundo.

Em agosto do ano passado, o governo federal anunciou sua intenção de privatizar a Eletrobras, gigante formada por várias outras empresas, como Furnas, que controla 233 usinas e possui 61 mil quilômetros de linhas de transmissão, que atuam em toda a cadeia produtiva do setor de energia elétrica. Além de gerar receita para colocar as contas federais em ordem, o argumento é dar mais eficiência ao setor.

Em 1999, a empresa chegou a ser incluída no Plano Nacional de Desestatização, implantado pelo então ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, mas o governador de Minas Gerais à época, Itamar Franco, opôs forte resistência à medida. Policiais e bombeiros militares chegaram a ocupar a Usina Hidrelétrica de Furnas, em São José da Barra (Sul), e os planos do governo federal foram revistos.

Na oportunidade Deco ressaltou que essa privatização envolve diretamente a vida de muitas pessoas. São muitos empregos que estão em risco caso Furnas venha a ser privatizada. “Temos grande preocupação com essa situação pois envolve nossa região. Não podemos deixar que isso aconteça e vamos unir forças para que este projeto de privatização seja suspenso”, comentou Deco.

 

Aumentar Fonte
Contraste