SETOR DE ENDEMIAS É ESCOLHIDO PARA REPRESENTAR A REGIÃO EM EVENTO EM BRASÍLIA

O setor de endemias, através da Secretaria de Saúde, de Piumhi foi escolhido para representar a região no XXXIII Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde em Brasília, entre os dias 12 e 15 de julho. O município foi contemplado pela apresentação de uma experiência exitosa acerca da implantação do método de monitoramento com ovitrampas das populações do mosquito da dengue.

Para conseguir ser selecionado foi postada a pesquisa no site do Cosems MG e entre as pesquisas postadas da regional de Passos, a qual conta com 24 municípios, Piumhi foi escolhido para representar a regional.

A ovitrampa é uma armadilha composta por um recipiente preto com quatro perfurações na sua parte mediana, possui aproximadamente 1L, sendo instalada com uma palheta de madeira compensada de 3 x 12 cm, presa por um clipe em seu interior.

Para a instalação foi adicionado 300 mL de água e adicionado um pellet de ração, para atrair as fêmeas grávidas, e durante a visita domiciliar dos Agentes de Controle de Endemias (ACE) o morador foi orientado sobre a pesquisa que é realizada no bairro e a importância para uma melhor vigilância do vetor, solicitando a permissão para que fosse instalada uma ovitrampa em sua residência e o retorno do ACE semanalmente para leitura e inspeção da armadilha. Foram instaladas 50 ovitrampas numeradas nos 26 quarteirões existentes no bairro.

Segundo o coordenador do setor, Luiz Henrique Vieira Mota, também idealizador da pesquisa no município, a ovitrampa é uma armadilha específica para fêmeas de mosquito que foi desenvolvida para capturar ovos de culicídeos tanto em período sazonal de chuva quanto em período de estiagem.

Através dela é possível monitorar o Aedes aegypti e apontar seu índice de infestação predial (IIP) em um bairro ou cidade e um método de controle mais sensível do que a pesquisa larvária.

A pesquisa foi aplicada ao bairro Eliza Leonel, o qual apresenta um maior número de focos do mosquito, e foi avaliado a distribuição espacial e temporal do vetor da dengue Aedes aegypti, visando a geração de índices de vigilância entomológica.

Com o estudo foi possível chegar ao número de 110.624 ovos de Aedes sp. capturados nas ovitrampas no ano de 2016, se mostrando um método de boa aceitação pela comunidade, competente e viável onde foi possível avaliar a flutuação do vetor no bairro através de seus índices.

A Secretária de Saúde, Aline Barbosa, explicou que o método utilizado pelo setor de endemias deve ser implantado em todo país em um futuro próximo e ainda aproveitou para parabenizar a equipe pelo trabalho que vem desenvolvendo no município.