ÍNDICE DE INFESTAÇÃO DO AEDES AEGYPTI E CASOS DE DENGUE TEM REDUÇÃO SIGNIFICATIVA NO INÍCIO DO SEGUNDO SEMESTRE

 

Em boletim divulgado essa semana pelo setor de endemias da Prefeitura de Piumhi, foi constatado que os casos de dengue reduziram notoriamente a partir do meses de julho e agosto.

Até o final da última semana, em 2019 foram notificados 796 casos prováveis de dengue, dos quais 115 foram descartados e 08 aguardam resultado do exame sorológico. Assim, até o momento, 333 casos foram confirmados, sendo a maior parte no Bairro Nova Esperança, seguido pelo Centro, Lagoa de Trás e Jardim América.

Na ocasião, Piumhi encontra-se com alto índice de focos, segundo o último LIRAa. Para chegar a esse resultado, a equipe de endemias visitou 908 imóveis, em 15 bairros do município, dos quais 12 foram encontrados com focos de mosquito, sendo 57,1% com focos positivos de Aedes aegypti e os outros 42,9% de mosquitos diversos.

Dentre os 15 bairros visitados do município, o Eliza Leonel e o Centro, sendo a maioria deles encontrados em plástico, lata, vidro, recipiente com escoamento de água, ralinhos, vaso/prato de plantas, bebedouro de animais, e demais recipientes estocando água de chuva nos quintais.

Dessa maneira, o município se encontra em situação de alerta, sendo o índice de infestação predial para o Aedes Aegypti de 1,3%, porcentagem acima da considerada normal, segundo os parâmetros da Organização Mundial de Saúde, mas menor que os 8,1% apresentados em janeiro desse ano.

O setor de endemias enfatizou que esse resultado, apesar de ter diminuído bastante, ainda é de alerta, mas essa redução se deu devido a intensificação das atividades de prevenção.

“Há o controle nas áreas com maior número de casos de arboviroses com o resgate de imóveis fechados na noite e aos fins de semana. Ainda há o tamponamento de reservatórios de água elevados, manutenção de bueiros com água parada, atividades de captura de mosquitos com armadilhas além do período de estiagem e baixas temperaturas que auxiliam nas atividades”, reforçou o Coordenador do setor, Luiz Henrique.

Vale ressaltar ainda que desde o início do ano foi estabelecido um fluxo de contato com laboratórios particulares e também se manteve a parceria com o laboratório da Santa Casa, para que seja informado ao setor de Vigilância em Saúde o resultado positivo de arboviroses, e assim o setor de endemias irá realizar as atividades de bloqueio de transmissão (fumacê) quando necessário, mediante notificação.

O município foi contemplado com incentivo financeiro no mês de maio, por meio da Resolução SES nº 6721 para custeio em atividades e ações de prevenção e controle das arboviroses.

“Utilizamos com a locação de maquinário e veículos para as ações de mutirão de limpeza, aquisição de testes rápidos, confecção de material educativo para ações de mobilização social e também para confecção de tampas de zinco para tamponamento de reservatórios de água elevados”, destacou Luiz.

Luiz afirmou que as atividades de mutirão de limpeza continuam nos bairros, em parceria com o setor de obras, com a manutenção em bueiros e tamponamento de caixas d´água, assim como a parceria com a Santa Casa nos exames.

“Os cuidados devem ser redobrados nesta época, principalmente com recipientes que se tornam criadouros, sendo necessário tomar medidas preventivas, de maneira a manter os ralinhos com tela, baldes e outros materiais que possam empossar água em lugares tampados, lavar os bebedouros de animais pelo menos duas vezes por semana e deixar as lonas sempre esticadas para evitar a formação de poças d’água” reforçou.

O biólogo e responsável pelo setor, Luiz Henrique Vieira Mota, explicou que as armadilhas utilizadas na captura dos mosquitos é somente uma ferramenta acessória no combate e por motivo algum os cuidados diários na prevenção de doenças transmitidas pelos vetores podem deixar de ser realizados.

Por determinação do Ministério da Saúde, a atividade de bloqueio de transmissão mais conhecida como fumacê, somente pode ser realizado na ocasião de notificação de casos suspeitos ou confirmados de dengue ou qualquer outra doença transmitida pelo vetor, em um raio de 150 metros da residência da pessoa notificada, não podendo ser realizado em hipótese alguma para o controle de mosquitos ou outros tipos de pragas urbanas.

É importante lembrar ainda à população que, estão sendo realizados mutirões de limpeza em diversos bairros e até o momento já foram recolhidos 82,5 caminhões de materiais descartáveis.

Aumentar Fonte
Contraste